---------------------

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Vital do Rêgo defende criação de legislação federal para prevenir tragédias semelhantes a de Santa Maria


Diante da tragédia ocorrida domingo numa boate na cidade de Santa Maria no Rio Grande do Sul, que matou  231 pessoas, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) passou a defender mais rigor para as fiscalizações nas casas de espetáculos.
Com base em apelos feitos por técnicos e especialistas em segurança contra incêndios , Vital do Rêgo disse que o Congresso Nacional precisa aprovar uma legislação federal que determine exigências mínimas para a liberação de casas de show, prédios comerciais e outras edificações. Atualmente, não há regras nacionais para o tema – cada Estado ou município define suas próprias normas, seguindo ou não as recomendações da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
Vital disse que sempre foi a favor de uma legislação nacional de prevenção de incêndios, antes mesmo da tragédia de Santa Maria que chocou todo o país. “Precisamos  propor uma lei nacional com normas mínimas para a prevenção de incêndios” sugeriu. Para Vital, o que aconteceu em Santa Maria poderia ter acontecido em muitas cidades do País que têm as mesmas precariedades no cumprimento das normas de segurança para esses estabelecimentos. “Essa tragédia provoca em todos nós uma sensação de insegurança, de impotência, de receio, de que isso que aconteceu possa se repetir em outros locais” observou.

Desde o último  domingo (27) vários senadores manifestaram seu pesar pela tragédia ocorrida na cidade de Santa Maria.  Os senadores também expressaram solidariedade aos sobreviventes e às famílias das vítimas fatais e cobraram a punição dos culpados. “Minha orações para as vítimas e solidariedade aos familiares da tragédia de Santa Maria. Que Deus conforte a todos neste momento tão difícil” postou o senador paraibano.
Os três senadores gaúchos, Pedro Simon (PMDB), Ana Amélia Lemos (PP) e Paulo Paim (PT) informaram que estarão na cidade, desde segunda-feira, para se encontrar com as famílias das vítimas.

Sem comentários:

Publicar um comentário